SNIF - Florestas e Recursos Florestais

Florestas e Recursos Florestais

Espécies Florestais

O Brasil é considerado um país mega diverso devido à variedade de formações vegetais e ecossistemas, que abrigam uma das floras mais diversas e exuberantes do planeta.  Veja a seguir maiores informações sobre:  Riqueza de Espécies na Floresta A riqueza de espécies refere-se à abundância numérica de espécies em uma determinada área geográfica. Em outras palavras, riqueza é a quantidade ou o número de espécies. O Brasil é considerado um país mega diverso devido à variedade de formações vegetais e ecossistemas, que abrigam uma das floras mais diversas e exuberantes do planeta. Estudos recentes apontam para a existência de pelo menos 7.880 espécies florestais arbóreas nativas no Brasil, número que provavelmente represente apenas 80% do total existente (FAO, 2005). Recentemente alguns autores estimaram a existência de cerca de 11.120 espécies arbóreas somente na floresta Amazônica (HUBBELL et al., 2008). As angiospermas, plantas que produzem sementes cobertas por frutos, são o grupo mais diverso e rico dentre todas as plantas. Acredita-se que há entre 30.000 e 35.000 espécies de angiospermas em todo o território brasileiro. As gimnospermas, plantas que produzem sementes nuas, são pouco representadas, com 14 espécies identificadas (SHEPHERD, 2006).  Diversidade de espécies arbóreas No Brasil existem cerca de 7.880 espécies arbóreas (FAO, 2005). Mais de 4 mil delas estão presentes do Catalogo de Árvores do Brasil, elaborado pelo Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal Brasileiro. Este catalogo contém cerca de 15 mil nomes comuns e comerciais relacionados aos nomes científicos das respectivas espécies. No catalogo são encontradas espécies que ocorrem em todos os biomas brasileiros.  Espécies ameaçadas ou em perigo de extinção Como resultado da pressão sobre as florestas, muitos ecossistemas são alterados ou até mesmo destruídos, o que leva muitas espécies a condições críticas de sobrevivência. Para avaliar quais e quantas espécies encontram-se ameaçadas, pesquisas sobre a ecologia e estado da arte de espécies da fauna e da flora são desenvolvidas através de parcerias entre governos, instituições de pesquisas e ONGs. Periodicamente são divulgadas listas de espécies ameaçadas. A Lista Vermelha da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN) é divulgada anualmente, sendo uma das mais conhecidas em todo o mundo. Esta lista divide as espécies em categorias de ameaça, em ordem decrescente: Extinta - não existe dúvida que o último indivíduo da espécie morreu; Extinta na natureza - existem indivíduos vivos da espécie somente em cativeiro; Criticamente ameaçada - espécie enfrenta riscos de extinção na natureza extremamente altos; Ameaçada - espécie enfrenta riscos de extinção na natureza muito altos; Vulnerável - espécie enfrenta riscos de extinção na natureza alto; Ameaça próxima - espécie próxima de se enquadrar nas categorias acima; Menor preocupação - espécie não se enquadra em nenhuma das categorias acima; Dados deficientes - não existem informações adequadas ou suficientes sobre a espécie; Não avaliada - espécie não avaliada. As espécies são classificadas em cada categoria segundo dados quantitativos e qualitativos que resultam de pesquisas. O Ministério do Meio Ambiente divulga a lista de espécies ameaçadas. A última lista de espécies da flora ameaçadas foi divulgada através da Portaria nº 443, de 17 de dezembro de 2014, revogando a Instrução Normativa nº 6 de 23 de setembro de 2008.Neste documento, as espécies estão divididas nas categorias "Criticamente em Perigo”, “Em Perigo” e “Vulnerável”. Lamentavelmente, 2113 espécies compoem a "Lista oficial das espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção". Na tabela abaixo são listadas as espécies madeireiras com valor comercial ameaçadas de extinção: Nome...